quinta-feira, 14 de março de 2013

Bucovismo Sapienza



        Sirva uma palavra que talvez já esteja no dicionário, significando: "algo que se aprende fazendo".
        Sendo que os próximos serão necessariamente piores que os antecessores, incapazes de viver. Com o tempo teremos sorte manter-se a média da população mundial; é capaz de acabarem-se todos com uma idéia latente.
        Como quando a gente se depara com um livro e por acaso fica chocado: caralho, que pôrra!
        O livro falava dum assassinato por motivações políticas, sexo, drogas e a disputa pelo poder nas altas esferas, tipo assim, a Câmara e o Senado juntos, mas um bando de malucos engravatados sem noção, dizendo: "Eu posso isso e aquilo, então foda-se o País".
        Lógico que eles vivendo num mundo artificial que é "Brasília", político nadando em dinheiro vendo-se cercados por miseráveis que não param de gritar, chegando próximos do centro da República, ameaçando de morte as vistosas eminências eminênticas eminentes.
        Eu sou burro.
        Burro.
        Bem Burro.
                    ...

        Ela diz que têm tudo fácil, que eu não a mereço. Diz que tem algo errado comigo e com os planetas e as estrelas; só me quer como amigo, colega; que dê um pouco de carinho e tenharesponsabilidade, mas no fundo sinta amor pela sua figura. Depois disse:
        -Dá um sorriso.
        -Xis!
        Os caminhos insondáveis da não existência, nada disso era possível. Resolveu acatar as regras do jogo.
        Francesco disse:
        -Sabe o que ninguém ensina nas campanhas, nos currais? Todo dia é Dia Primeiro de Abril.
        -Sabe, cala a boca.

        "Meu coração tem um sereno jeito,
         e as minhas mãos o golpe duro e presto,
         de tal maneira que depois de feito,
         desencontrado eu mesmo me contesto
         Se trago as mãos distante do meu peito,
         é que há distância entre intenção e gesto."

4 comentários: